terça-feira, setembro 27, 2005

o sol e a lua

“Sinto-me como se não tivesse pele” – dizia-me ela olhando-me com os seus olhos cansados, com uma pequeníssima réstia de esperança de que eu a resgatasse àquele sofrimento.
“A mais pequena coisa que venha contra mim dói como se eu sangrasse até me esvair!” – continuou, enquanto os seus passos continuavam imobilizados, num resquício de protecção com o que o nosso mecanismo do medo nos brinda, mesmo quando todos os outros recursos nos abandonaram.
Prometi-lhe que o sol a aqueceria, sem a queimar e que a lua a iluminaria, sem a cegar.
Pareceu acreditar. Esboçou um sorriso com a pele dorida e arrastou um pé atrás do outro até me pegar na mão.
Atrás um rasto de sangue prometia estancar-se.

4 Comentários:

Anonymous mariline disse...

há cansaços que nos vão corroendo a pele e tapando cada vez mais a alma...a cada nova dor,parece sentir-se novamente todas as outras...cada mão que nos toca retarda uma morte que sabemos que virá...

1:50 da manhã  
Blogger mar disse...

Sentir a ausencia de pele e confundirmo-nos com o mundo, perdermo-nos na mescla de sensações q se tornam vagas e confusas...por vezes dolorosas qdo as não queremos sentir mas não temos força para fugir dali...daquele espaço q por vezes nos afoga...até aparecer aquela mão q nem esperamos, ou queremos, mas q está lá...emaranhada no seio das sensações vãs q já não sabemos sentir!

2:15 da tarde  
Anonymous Sílvia Antunes disse...

Olá
Já faz tempo que cá nao vinha.
Adorei andar por aqui a passear.
Adicionei o link do teu blog na minha página.
vou voltar mais vezes. ;)
bjs
Sílvia

2:25 da tarde  
Blogger Å®t_Øf_£övë disse...

FF,
Gostava que passasses lá no "ATORDOADAS" para "comeres" uma fatia de bolo pelo 1º aniversário.

3:27 da manhã  

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

Hiperligações para esta mensagem:

Criar uma hiperligação

<< Página inicial